Eu já contei que no meu quarto tem uma parede grande recheada de recortes de jornais, cartas antigas de amor, cartões postais, ingressos de show, fotos e figuras? Pois é, tem sim. Tem um bocado de porcarias e não-porcarias. Coisas que eu tento guardar no coração mesmo, mas já que não dá pra engolir e colocar lá dentro, fica por aqui pendurado, colado, pintado.

Agora estou em fase de atualizar e preencher os espaços em branco que ainda sobram. Qualquer semelhança com a minha vida é pura… verdade.

Quem dera ter a mesma paciência de recortar as partes que não me interessam, dividir, separar, organizar e admirar aquelas que gosto, que tenho afeto. Que ironia! Junto tudo e crio uma identidade, uma personalidade para essa parede branca, lisa, de massa corrida. Pergunte agora se consigo fazer isso com os meus dias?

Enfio na gaveta e prometo ler mais tarde.

(Nunca leio)