O sol entra pela fresta da janela e bate no meu rosto. Com o frio da manhã, esse sol é desejado por todo o resto da turma. Minhas bochechas esquentam. A sala fala com seus sussurros. A voz do professor ecoa ao microfone. Cadeira de estofado azul. Sou uma entre outras 199. Afundo nela, deixo minha nuca encaixar no encosto traseiro. O sol ainda assim ilumina meu rosto. Inclino para o lado, apoio o cotovelo direito no braço da mesa e a mão fechada, em punho, grudada à orelha. Aquela voz continua ecoando… ainda sei do que ela está falando. É o histórico do… do.. do petróleo no… como é… Oriente Médio! A voz está dizendo sobre 1973… sobre o primeiro aumento da OPEP… Eu sei disso… Acho que se eu fechar os olhos… e só ouvir… talvez… eu não… durma.