Eu conheci você numa dessas lanchonetes-barzinho que agora tem de monte por aí! Você tinha uma namorada (que me assombra até hoje) e eu era a garotinha de 14 anos mais precoce que você já tinha visto (ao menos eu imagino assim, posto que meu decote era maior que o da garçonete). Eu não sei porque lembrei disso hoje assistindo televisão. Só que de repente me veio a cabeça a tal da pergunta: “Por quê?”. Por que a gente não deu certo? Por que você e eu nunca ficamos mais de 1 mês juntos? Por que mesmo com tudo isso, mesmo se encontrando de semestre em semestre, ficando junto 1 semana e depois simplesmente evaporando um para o outro, a gente sempre volta?! E faz tudo acontecer de novo, e faz o coração bater de novo, e por alguns instantes até pensa: “Quem sabe dessa vez?!”. Não, nunca tem essa vez. Mas nao importa, porque sempre haverá algo que me lembre você e sempre haverá algo que te lembre de mim. Pode ser um lugar, um livro, um filme, um almoço. Pode ser tudo! Pode todo mundo me lembrar que você existe, que mesmo assim nós jamais estaremos juntos de verdade. E eu não sei porque não fico brava de verdade, nao sei porque você não fica magoado de verdade. Eu realmente nao sei e nem quero saber. Talvez a gente não admita um fim, talvez nenhum dos dois tenha coragem de admitir um fim. Talvez, como você mesmo me disse em um email, a nossa relação seja mais desencontros do que encontros… Mas existe!