O senhor acompanhou minha jornada e sabe que tenho direito de ser absolvida por toda e qualquer acusação. Não beijei caras estranhos, sofri a cota de amor permitida, não fiquei bêbada (ou, ao menos, não passei mal de bêbada), fui boa com as amiguinhas e má com as chatinhas (pense bem, são muuito chatinhas), não fui para a cama com o chefe e não passei dos limites com o chocolate.

Agora, Papai Noel, por favor! Peço com carinho que me dê novamente amigas solteiras, cheias de disposição para sair sem hora para voltar, que virem tequilas e apresentem seus primos bonitos. Livre-as dos namorados chatos e engomadinhos. Traga-as de volta a diversão da vida e as bordas salgadas dos copos de bar.

Beijos

da sua querida garota sem-solução.