A solidão com certeza é o maior problema da vida moderna. Já cansei de ouvir por ai que a minha vida de escritora e jornalista me traria sérios problemas no convívio social. Tenho que admitir, a escrita e a leitura excessiva me deixam cada vez mais introspectiva. Acontece que não é a minha profisssão, ou o pequeno apartamento que divido com o meu cachorro, que me faz ser sozinha. É o caos lá fora, o corre-corre do século 21. Não sou só eu que tenho medo da vida moderna. O trânsito, os prédios, a política, o desemprego, um ritmo de vida acelerado que adia casamentos, filhos e macarronadas aos domingos, assusta qualquer um! Dá medo de viver. A amiga que fiz hoje, amanhã pode ser transferida para outra cidade. O homem que escolhi para me casar, amanhã pode ser demitido. Filhos? Dores de barriga bem na hora daquela reunião importantíssima! Muito amiga do chefe? Sexo no trabalho! Como querem que sejamos sociais? É tudo assim, apressado, improvisado, convencendo a mim e a outras pessoas de que a vida moderna é para se viver sozinha.