Certa vez jurei que: De amor, não iria mais chorar. Besteira! Não deu certo.
Então, aprendi que: De amor, se deve chorar, se descabelar, espernear, gritar, mas não se deve sofrer! Deu certo.
Aprendi a engolir problemas amorosos da forma mais criativa do mundo: Escrevendo. Foi então que comecei a escrever. Escrevia de verdade! Cuspia toda e qualquer sensação que sentia. Logo mais, aprendi a lidar com o sexo oposto. Aprendi a ter malícia de mulher com uma pitada de precaução de uma garota. Acostumei a escrever para esquecer. Estava feita a minha vida. Retratada em três cadernos universitários, duas agendas e alguns blocos de nota salvos no computador. Ao ler, relembro de cada frio na barriga, arrepios, medos e sonhos que alguém um dia viveu. Nem parece que fui eu. Ainda rio muito de como eu escrevia mal, de como minha letra era feia e meu coração mole igual gelatina. Quando a gente cresce, sempre olha pro passado como algo inferior. Passado não é ruim! Passado é lembrança! Existem coisas que gostamos de carregar conosco, outras não. Nem por isso são motivo para tal desgosto.
Em 2007, muita coisa aconteceu. Não me refiro ao amor, isso foi apenas uma deixa para o assunto. Me refiro a tudo! Pessoas, coisas, sentimentos, sensações, gostos, sons, falas e beijos. Eu fiz minha bagagem para 2008, levei alguns gostos, alguns beijos, algumas falas. Outra bagagem deixei lá mesmo! Naquilo que chamam de Passado, Ano Passado. Nem por causa disso deixam de ter a intensidade que tinham no Presente, ou o frio na barriga que causavam antes mesmo de acontecer, quando ainda estavam no Futuro.
Algumas pessoas mudam. Algumas coisas deixam de existir. Alguns sentimentos se ocultam, outros se exibem. Muitas sensações se alteram e muitos gostos ficam desgostosos.
Sobre sons, falas e beijos… Bem, estes permanecem os mesmos.
Só muda quem fala, quem ouve e quem beija.

_____________________________
Há quem diga que o Sofisticada anda abandonado. Que calúnia! Depois de muitas idas e vindas, sosseguei nessa cidade fria, chuvosa e deserta. Daqui não saio! Daqui ninguém me tira! Carnaval será na BlockBuster, com todos os filmes que meu dinheiro puder pagar. Aceito acompanhantes, a entrada é um saco de pão de queijo congelado ou pipoca para microondas.