Eu vim falar de uma coisa que eu sempre falo. Vim repetir e bater mais uma vez na tecla do amor, pra ver se um dia ele se joga no google, para aqui nessa página e vê o quanto eu to precisando dele. Desculpa falar assim correndo, mas essa música que eu to ouvindo me dá uma baita coragem no peito e ela já vai acabar. Então deixa eu contar aqui que o meu coração tá mais surrado que vilão de novela. Tudo porque nessa vida a gente dá 1000 tiros pra acertar um. Aí esse um não acerta você e pronto! Ta feito o desencontro de amor. Esses dias saí com as amigas pra beber muito. Pra vestir aquela roupa apertada que dá até vergonha própria de passar pelo corredor torcendo pra não esbarrar em nenhum vizinho. O saldo do dia seguinte é sempre o mesmo: nada. Zero. Vazio completo no peito que de brinde te dá uma dor de cabeça. Implorando por um hidrotônico, sentei na varanda e medi meus erros. Medi homens. Medi todos aqueles que passaram aqui por baixo e nem me fizeram café preto no dia seguinte. No final das contas, o vazio do dia seguinte será sempre o vazio do dia seguinte. Seja depois de uma noite travestida de tubinho preto ou travestida de homem. Amargurei. Perguntei pra abelha que pousou na beira da janela se o amor existia pra ela. “Que nada! Vai por mim, o jeito é fazer o filho e ficar sozinha!”. Sábia abelha. Burra Sofia. Burra porque bate a cara num muro musculoso e não aprende que procurar amor é fazer ele se esconder em baixo da toalha da mesa. Flertar o cara do metrô é só brincar de enganar a vida. O amor tá enfiado em um homem perdido no mundo que você só vai achar quando estiver preocupada demais em descascar o esmalte da unha do que olhar pra cadeira do lado naquela peça chata. Ou então, só vai achar quando estiver rindo da felicidade besta que é ter o nariz levemente borbulhando porque tomou champagne em Copacabana na virada do ano. Amor é isso, é desencontro de felicidade individual. Eu aqui, ocupada demais olhando pra dentro de mim. Você aí, ocupado demais olhando pra dentro de si. Uma hora a gente se esbarra. Agora eu tenho que ir, porque essa outra música que ta tocando agora, puxa, me dá uma baita vontade de dançar!