Eu não costumo fazer promessas no Ano Novo. Não costumo ter metas e tentar ser melhor. Prefiro deixar o futuro ser como ele é: Incerto.
Para variar, esses dias antes de dormir pensei num texto perfeito. Quando acordei, já não lembrava mais nada! Me lembro que falava sobre crescer, não em sua forma física, mas mental. Em crescer, mudar, mas manter a essência.
Acho isso digno.

De qualquer forma, sussurrei baixinho essa noite. Sussurrei que esperava mais de mim mesma esse ano. Que seria um ano de perdas, de ganhos, de estudo, de sonhos. Principalmente sonhos! Seria a vez de batalhar por eles. Não posso imaginar como será ano que vem, é como se 2009 estivesse coberto por uma seda fina e escura sem nenhuma brecha para espiar. Estou curiosa, ansiosa, medrosa, receosa e outros “osa”.

Vejam só! Mal começou 2008 e ele já está em função de 2009.